Gamalho explica escolha pelo Vitória e revela ligação emocional com Salvador: “Me amparou”

 
Quando recebeu a proposta do Vitória, o atacante Léo Gamalho não teve dificuldade para tomar sua decisão. O “sim” já estava engatilhado, e se engana quem pensa que isso se deve à passagem pelo Bahia no ano de 2015 – ele fez 29 jogos e marcou sete gols.

O jogador já conhecia de perto o Rubro-Negro desde anos anteriores. Ele revelou, durante sua entrevista coletiva de apresentação, que morou em Salvador no ano de 2007, quando passou por dificuldades. Foi daquelas memórias que ele tirou a decisão de retornar.

- A decisão sempre é minha. Deus está sempre na minha vida, em primeiro lugar. Quando eu soube do interesse do Vitória, não quis ficar esperando muito não. Tenho respeito por essa instituição. Morei aqui em 2007, aqui em Salvador. Tive um momento meio difícil na minha vida. Então conheço bem a cidade. É uma cidade que me amparou, me apoiou quando estive aqui. Quando surgiu o interesse do Vitória, sei da dimensão que tem o Vitória, então não tive dúvida nem problema com isso – afirmou, em evento realizado na última quarta.

Gamalho conta que, na época, estava desempregado e precisou morar com a família num apartamento pequeno da capital baiana. Ele relembra o que viveu e mostra, inclusive, que domina o “baianês”.

- Subi para o profissional cedo, no futebol, na carreira. E tive um momento em que fiquei desempregado. Meu pai morava aqui em Salvador, num apartamento de um quarto. Daí veio morar meu pai, minha mãe, minhas duas irmãs. E ainda veio eu e a minha namorada, que hoje é minha esposa. E todo mundo morava num apartamento de um quarto. E eu estava desempregado, passava situações difíceis financeiras. Soube que eu ia ser pai. Então foi um momento de dificuldade na minha vida. Mas tive, buscando a Deus, na igreja. [...] O pessoal sempre me recebeu bem, ajudou. Então eu guardo com carinho. Foi uma retomada na minha carreira. Depois, fui para Portugal. Quando tem um convite do Vitória, daqui de Salvador, me vêm essas memórias.

Postar um comentário

0 Comentários